quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Sexo

Um destes dias tive uma conversa particularmente interessante com umas amigas. O assunto era sobre relacionamentos. Que tipo de relacionamentos querem ter, quais os constrangimentos, as expectativas ou não, os cenários possíveis, mas tinha por base o controlo dos afectos.

Com o decorrer da conversa, comecei a perceber que o grande problema e o cerne da questão residia na prática de sexo e na carga social a ela associada.

A culpa, desta coisa toda, é de facto dos valores judaico-cristãos que nos foram inculcados desde o dia do nosso nascimento (penso mesmo que quando éramos projecto de gente já vinha no pacote genético).

Se não, vejamos. Há e continua a haver uma diferença grande na liberdade, no que respeita à prática sexual, dada ao género masculino e ao género feminino. Se um mocito tiver vários relacionamentos é um heroi (excepto aos olhos do publico feminino da mesma idade que o passa a ver como não fiável), se for uma mocita é uma galdéria fácil.

Há a valorização da virgindade, da castidade - aliás defendida fortemente como prática anticoncepcional e de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis pela Igreja Católica. Vejam bem o aspecto do Pápa!
Pois..... mas sexo faz parte da nossa característica de humanos, de animais. Está programado e vinculado na nossa herança genética, e esta coisa de ser monogãmico é uma construção social, pois para a sobrevivência da espécie foi necessária a disseminação de bom genes. A não prática de sexo é antinatura.

Não sou defensora da infedilidade, aliás o que mais me chateia nessa coisa é a falta de verdade, mas a probabilidade de o nosso par, na sociedade actual, se cruzar com alguém que o/a atraia é elevadíssima. Conhecemos pessoas todos os dias, cruzamo-nos com desconhecidos, fazemos amizades na net. A probabilidade de se ser infiel em algum momento aumenta terrivelmente.

Temos também que pensar na representação social do casamento, cujo objectivo principal era um contrato financeiro/economico, e que simboliza a permissão face á sociedade da prática despenalizada de sexo. Ou seja, podemos pôr as endorfinas ao rubro porque somos casados. Desgraçados dos restantes! Se calhar é por este motivo que existe tanta gente mal disposta e deprimida.

Onde é que está escrito que os relacionamentos são para sempre? Quem disse que se tem de gostar da mesma pessoa para sempre? Não tem, e não são. Fisicamente falando, a paixão dura até seis meses, e amamos alguém mais ou menos quatro anos. Daí que os afectos e os relacionamentos tenham que ser necessariamente alimentados, de outra forma acabam.

Mas sexo, puro e duro é uma prática fisica, que pode ter em vista a reprodução ou o puro prazer.
Voto no prazer. Para as mulheres sexo é bem mais do que isso, sexo é sexualidade, é afectos. Sexo significa a partilha da intimidade, muito mais do que o corpo, tem a ver com a partilha da alma, do nosso espaço afectivo. É um despir, é a vulnerabilidade. Tudo isto ganha uma carga muito mais intensa quando o parceiro é novo ou muito desejado. Passamos para o foro: do que o que é que será que ele vai pensar?

Tudo isto apenas porque se atribui demasiada importância a um acto fisico. Na minha opinião, o flirt, o jogo, o toque, o desafio, entre outras coisas enriquecem e incutem um aspecto mistico à coisa. A imaginação permite grande partilha de intimidade, a conversa sobre o que se gosta e o que não se gosta, eleva a partilha a outros níveis.
Aliás, como é que se pode saber se de facto alguém é bom na cama, se se teve apenas um parceiro e não há termo de comparação?? Nã, nã, nã..... todos comparamos, o que na maioria das vezes nem tão pouco é comparável.
As mulheres gostam tanto de sexo como os homens, gostam de outra forma, assim de como tudo o resto na vida. Ninguém é dono de ninguém.

Sexo faz bem à saúde: gasta um elevado número de calorias, portanto emagrece. Quando bem praticado, faz mexer quase todos os grupos musculares, estímula a produção de endorfinas e por isso andamos mais felizes. Reforça o sistema imunitário e cardio-vascular, liberta toxinas e faz bem à pele. Ok!!!!! Também tem associado a eles uns problemitas, mas estamos na onda do sexo seguro e reponsável. Eu prefiro pensar nas qualidades, quem preferir pensar nos riscos que vá correr a maratona, o efeito é mais ou menos o mesmo.

Penso que neste assunto, como em vários outros, temos de nos despir de orgulhos, preconceitos, e esforçarmo-nos por ser felizes, por tentar. Viver, descobrir, sorrir, experimentar, ver o que dá sem pensar em cenários. Sonhar é muito bom! E se se magoarem! Who cares?!?! Viveram..... Acima de tudo há que ser verdadeiro, primeiro connosco depois com o outro.

Greatings
NSAS

4 comentários:

no way jose disse...

Bem, diria q isto é o reflexo dos 1os raios de sol... Lol, tanga...:P
Sim, concordo com a generalidade do k dizes, axo q de facto continua a ser um tema tabu (se bem q p as gerações vindouras não é tabu nenhum, bem pelo contrario!).
Só um reparo, alias, uma observaçao. Logico q fazes a tua analise do ponto de vista da mulher. Concordo q homens e mulheres possam ver a coisa por angulos diferentes. Mas axo q essa ideia q o sexo p as mulheres é uma coisa mais intima, mais pessoal, mais mistica ou ate mais espiritual... amiga, sei q nao posso falar por todo o genero, mas acredita q a ideia q para os homens o sexo nao comporta isso tudo tambem, é tambem (passe a repetiçao) uma ideia pre-definida, um mito, se quiseres. Ok, se calhar tendemos a demonstrar maior gozo em reconhecer as virtudes ou prazeres fisicos da coisa. Talvez ate sobrevalorizemos essa parte. Mas a outra tambem está lá.
Mas acima de tudo, concordo qd afirmas q as vantagens sao bem maiores q as desvantagens (afinal pk se perde tanto tempo em ginasios..lol) e q tudo tem um espaço temporal definido. Ninguem sabe bem é qual...
Bom post ;) Bjoka

Susie Mary disse...

Ainda bem que para os homens sexo também é mais do que isso... mas isso também é resultado de mudanças sociais e daquilo que cada um espera da outra parte... as mulheres procuram homens sensíveis. isto é uma novidade cultural!

Cátia disse...

Isto é o resultado das conversas no Maria lololl beijoooooooo

Patricia disse...

digamos que ainda bem que há quem tenha a capacidade de escrever aquilo que tantas mulheres conversam e pensam.. ler este post foi como lembrar a ultima conversa que tive com as minhas amigas e cujas conclusões são quase iguais... parabéns...