domingo, 27 de julho de 2008

Pessoas

Por que são as pessoas tão interessantes?

As pessoas são bem mais interessantes do que coisas, gosto absolutamente de pessoas, de imaginar as suas histórias, as suas vidas e os seus desejos.
Cada um de nós tem uma trajectória, um percurso que fez até ao dia de hoje, e tem todo um conjunto de sonhos e de expectativas que o vão mover para traçar percursos futuros. Se se dedicarem a observar as faces das pessoas vão ser capazes de perceber algumas coisas sobre a vida delas, através das linhas que o tempo marcou no seu rosto. Há expressões felizes, há expressões de infelicidade, de melancolia, de pesar, de ternura, de saudade, mas todas elas nos contam coisas. Se repararem nas expressões dos bebés são quase todas iguais, têm uma vida que se vai encarregar de escrever as linhas do seu rosto. Cada etapa da nossa história de vida marca a forma como somos, a forma como nos relacionamos com os outros, como lidamos com os medos, com as conquistas, com as frustrações, com tudo aquilo que faz parte do quotidiano. Há vidas fantásticas recheadas de acontecimentos, de experiências, de sensações e de momentos, há outras que são opacas, cinzentas, tristes, sem sal, e que não importa o tempo que se viva pois nada irá ser escrito nessas páginas. Há pessoas que são forças da natureza, que movem multidões, que mudam o mundo e mudam as vidas dos outros. Há outras pessoas que nasceram velhas, que têm medo de experimentar coisas novas, que não sorriem e tudo é feito com um enorme esforço, cuja tarefa de viver foi a pior que alguma vez lhe deram. Há pessoas altruístas, capazes de se dedicarem aos outros, de realizarem verdadeiros milagres e transformações, há outras demasiado viradas para si, centradas nos seus próprios umbigos incapazes de perceberem a linguagem dos outros. Há pessoas felizes, que transbordam energia e alegria de viver, que são capazes dos maiores sacrifícios sem queixumes. Há pessoas delicadas e frágeis, que todos os seus movimentos são carregados de leveza e suavidade. Há criaturas pesadas, que carregam nos ombros o peso do mundo e da sua história. As pessoas de quem mais gosto são as que são naturalmente diferentes, que o são pela presença que marcam nos espaços onde estão, pela forma como se expressam e pensam, pela coragem que têm de dizer o que pensam e o que sentem, porque não agradam a todos e não se importam, mas sobretudo porque são reais e verdadeiras. Era bom que pudéssemos partilhar a vida de muitas pessoas, isso faz-nos mais ricos e mais felizes. Há pessoas que nos marcam e que são inesquecíveis, Obrigada a todas essas pois de facto cresci imenso com elas. Obrigada sobretudo à minha mãe e ao meu pai que permitiram que me tornasse a criatura pensante e independente que sou hoje.

Obrigada a todos aqueles que conheci até hoje, fizeram de mim um ser mais rico,

Greatings
NSAS

Ah!!! Obrigada aqueles que me ensinaram a lidar com a diferença.Cresci muito convosco.

3 comentários:

no way jose disse...

Agora percebo o pk do k disseste no café! Tens razão, devia haver menos cinzento na cara das pessoas, devia haver menos gente cinzenta, com a cara fechada, incapazes d serem, um bocadinho k seja, loucas e diferentes. Num mundo cada x mais homogeneizado, onde tudo é feito em série e d forma impessoal, igual e c pouco cunho pessoal, as pessoas deviam parar p pensar q ficarem assim, viverem assim, conviverem assim, sérios em demasia e sem capacidade de brincar, nunca as vai tornar mais felizes. E de facto a vida vai passar ao lado dos "cinzentos".. Cada um devia fazer esta auto-análise. Eu já a fiz a seu tempo e concluí k ia no caminho errado. Pk a forma como encaramos as coisas é um caminho, dos mais importantes k percorremos.
Vai daí e virei... palhaçito! Lol, pelo menos alguns o dizem.
Sabem k mais? Não m importo nada..

joao disse...

yes!

Maria Judite disse...

Analisar pessoas. Aquilo que mais gosto de fazer. Olhar para as suas expressões (faciais corporais, comportamentais…), reflectir nas suas frases e tentar decifrar o que as leva a ter este ou aquele comportamento. Sentir-me capaz de detectar o potencial que existe ou não em cada detalhe.
Pessoas há tão complicadas… mas sem elas não se vive, e com elas se estabelecem relações duradouras e emaranhadas. Mas mesmo assim considero que estas: nos ensinam, guiam, activam confiança com as vindouras, fazem-nos amadurecer, reflectir.. A estas (e não só) devo a minha diferença.